A inclusão do diferente, um desafio.


Tal como a felicidade, não existe um estado permanente de inclusão, existem antes momentos de inclusão. E esta cena da série Glee é um momento perfeito de inclusão. 
O grande desafio não é a pessoa diferente ser integrada no contexto dos ditos "normais", é muito mais... é ser um elemento ativo desse contexto, ou seja, é ser incluída. E não esqueçam, os ambientes inclusivos combatem atitudes discriminatórias.

Imagine um mundo sem discriminação.
Imagine!

Fotografia (PENSAMENTO) do dia!

© Fotografia| Butterflies & Hurricanes - Liliana Fernandes

Modelo: Principezinho da Família 

805 Million Names




Ah! E a música (dos Sigur Rós) foi muito bem escolhida. 



"QUEM TE AMA NÃO TE AGRIDE"

Para a maioria das pessoas, a palavra “namoro” rima com paixão, amor, romantismo, período de ajustamento, apoio mútuo,…No entanto, algumas pessoas acrescentam, a este elenco de características, palavras como: controlo, humilhação, manipulação, medo,…

Violência no namoro: nuvens passageiras ou sinal de tempestade?
Toda a violência conjugal tem uma história e o seu início é geralmente insidioso e subtil. Na maior parte dos casos, a violência física é antecedida por um historial de agressões psicológicas de “baixa” intensidade, como, por exemplo: um dos parceiros impedir que o outro tenha contacto com determinadas pessoas; um dos parceiros ridicularizar, não prestar atenção ou humilhar publicamente o outro; ameaçar, gritar ou partir coisas para intimidar o outro; ceder frequentemente a pressões e exigências no campo sexual contra vontade própria (mais frequentemente as mulheres). Estes são alguns sinais de alarme que convém não ignorar. Quando a vítima insiste em pensar, contra todas as evidências, que vai conseguir mudar a personalidade do agressor, quando acredita que “depois do casamento as coisas vão mudar”, quando atribui às agressões masculinas a “forma de ser dos homens”, ou considera o ciúme “doentio” como uma prova de amor, está a desculpabilizar o comportamento violento, contribuindo para a sua manutenção.

O Governo lançou uma nova campanha nacional contra a violência no namoro: "Quem te ama não te agride!".  A ideia é sensibilizar, educar e prevenir para uma forma de estar que pode vir a tornar-se mais tarde em casos de violência doméstica. O último estudo nesta matéria, publicado há cerca de dois meses, revela que um terço dos jovens entre 15 e os 20 anos admitiu ter adotado um comportamento violento no namoro, pelo menos uma vez. 

"Tudo é mais fácil a cantar"| Os ditongos

Se há canções infantis para as quais nunca encontrei um significado ("Atirei o pau ao gato", por exemplo), outras há que para além do objetivo óbvio de entretenimento, têm igualmente um suporte didático para a educação e desenvolvimento das crianças, utilizando o método simples e divertido de que tudo é mais fácil a cantar. Assim são as canções infantis da fantástica Maria Vasconcelos. Sou fã!



RECORTES DE IMPRENSA| "FECHADOS EM CASA, MAS EXPOSTOS AO MUNDO"

"Os que nasceram desde 1995 têm uma existência de paradoxos, são os mais protegidos e os mais vulneráveis, são aqueles por quem não se dá nada e de quem se espera tudo."
Um retrato da geração Z, feito pelo jornal Público AQUI

FRASE DO DIA| "Chega-se ao paradoxo de se conviver sem se comunicar; estar-se junto sem se fazer companhia."

Tudo no universo comunica e tudo começa com o choro do bebé, que tenta transmitir uma necessidade... A comunicação pode ser feita de várias formas: por escrito, verbalmente, através da música, dos gestos, sempre com o objetivo de transmitir uma mensagem a alguém. Este é o mais natural e, ao mesmo tempo, o mais difícil instrumento à disposição do ser humano. Diz-se que estamos na era da comunicação, mas isso é só meia verdade. Vivemos, na realidade, na era dos meios de comunicação, mas as pessoas continuam tão isoladas quanto antes, porque se vive, em geral, no clima da incomunicabilidade. Há um diálogo de surdos, em que as pessoas falam em frequências de onda diferentes. Chega-se ao paradoxo de se conviver sem se comunicar; estar-se junto sem se fazer companhia. Ou seja, há presença física e ausência de comunicação. Não é de estranhar, portanto, que a falta de comunicação seja um dos maiores problemas do nosso século.

... e sobre a importância da comunicação...

Maravilhosa Sensação

Maravilhosa sensação essa do "MAIS".